May 7, 2013

Baby friendly restaurants

Baby friendly é uma expressão que tenho usado muito recentemente. Ela define passeios, lugares, móveis, enfim. Mas é claro que neste caso aqui, me refiro a comida.

Passei a gravidez toda sem sushi, né? Acho que teria sido mais fácil passar a gravidez sem o dedão do pé. Qual? Tanto faz. Eu dizia que o Dani ia sair por um lado e o sushi entraria por outro. Que eu subiria da sala de parto pro quarto e lá teria uma friazinha de sushi me esperando, embrulhada naquele pano bonito japonês com um nó no meio. Isso e uma bandeja de brigadeiros. Bom, a obstetra só autorizou os brigadeiros.

Aliás, pior do que ficar sem o sushi (e sem o dedão do pé) foram os palpites da fulana que o médico liberou sushi, da ciclana que tem uma amiga que comeu sushi a gravidez inteira e não aconteceu nada. Ah, os palpites. Mas deixa pra lá.

E aí, quando o Dani foi liberado para algumas saídas, eu quis comemorar. Calma, calma, eu já tinha me jogado no delivery japa há tempos. Mas decidimos sair e fazer algo super. E pode parecer simples, bobo e planejamento excessivo, mas tem muita coisa que ajuda nessa hora.

Não vá a um restaurante badalado. Pense no espaço que um carrinho ocupa e no conforto da pessoa da mesa ao lado. Imagina se fosse a sua comemoração de aniversário de casamento e sua garfada tivesse a visão bloqueada por um dos brinquedos mais coloridos da face da Terra. E ele pisca e brilha. Faz barulhos. E é babado.

Nós ligamos pro restaurante, avisamos que íamos com um carrinho e eles reservaram uma mesa super legal pra gente. Não foi no balcão (duh!), era uma mesa em um canto, com espaço para estacionar minha espaçonave e ainda assim conseguir ficar de olho nela.

Almoços são mais fáceis. Chegamos super cedo e, quando saímos, o restaurante tinha poucas mesas ocupadas. Tudo bem, dia de bebê começa cedo, vamos combinar que se alguém tomou café às 6am, até não parece tão difícil almoçar às 12:30. Pelo menos eu não acho.

E o bebê cresce. Os hábitos de comer cedo não mudaram muito, só a tralha que eu levo.

Tenho uma cestinha com os brinquedos que levo, os brinquedos de sair. Geralmente eles não estão tão disponíveis em casa, assim eles ficam mais frescos. Um deles é um fouet da OXO. E o outro, um amassador de batatas. Ambos de plástico, que eram usados nas panelas com anti-aderente. E ainda garanto o momento descontração com qualquer garçon. Também tenho chupetas - porque elas sempre caem viradas pra baixo em cima da poça de molho de tomate - e um casaquinho, para os lugares com um ar condicionado mais forte.

A mais recente paixão inexplicável do Dani é uma xícara-cápsula da Nespresso. A coitada já está descascada, amassada, e sinceramente ninguém acha uma explicação de por quê morder metal é tão legal. IGH. Só de pensar me dá uma aflição e um arrepio. Mas enfim, gosto não se discute e lá vai a cápsula também conosco.

Minha mais recente descoberta foi a paixão do Dani por miolo de pão. Claro que não vai rolar uma fatia do pão de calabresa, mas qualquer-qualquer-qualquer lugar tem um pãozinho gostoso. E, pensando em lugares que aceitam crianças numa boa, ninguém acha ruim se você pedir um pedacinho de pão pro pequeno.

Pois então resolvi criar uma categoria aqui no blog dos restôs frequentados pelo pitico! Coisas que agradaram, coisas que não deram certo, coisas que eu errei e faria diferente depois.

E qual foi o primeiro da lista? Aquele japa da lombriga? O Kinoshita. Foram super atenciosos nas duas vezes em que fomos. Na segunda vez, o Dani decidiu que não iria dormir durante o almoço nem ficar no carrinho. Uma cólica 'fiadapu resolveu atacá-lo bem no momento em que o primeiro prato pousou na minha frente. Tudo bem! Filho em um braço, hashi em outro e pronto! E se não desse certo, empacota e leva a doggy bag pra casa. Leve com leveza. E se der errado, paciência.

E a lista está só começando! O Dani com certeza vai nos acompanhar a outros restaurantes, e vou contando tudo por aqui! Com fotos de instagram, celular e nem sempre perfeitas. Porque aquela que tirava fotos lindas e posadas, com câmera, tripé e rebatedor, ficou para um futuro um pouco distante.

2 comments:

Carol do Val said...

Jura que a palpiteira não é só comigo? Que ufa!!!
Nova categoria, eba!!!

π said...

Carol, você ainda não viu nada...
Bjoca e bom ear-plug pra você!