Oct 24, 2012

Cozinha da Matilde

Em uma dessas coisas da vida, conheci a Letícia. Amiga querida, cozinheira de mão cheia, que conhece os ingredientes brasileiros como ninguém. Aliás, de verdade, não conheço nin-guém-nin-guém que saiba tanto dos nossos produtos como ela.

Um chá para acompanhar, uma bela cadeira para sentar, e já ficamos horas conversando sobre comidas, fogões, panelas e outros assuntos também - afinal, ainda temos o passado da engenharia e do direito em algum lugar ali. Se ficou com vontade, entre no Cozinha da Matilde e você vai entender bem do que estou falando.

Já fiz um Rôle Garfo & Foco pelo Centro com ela e a Gabi. Fomos ao CEASA Santa Rosa, Mercadão, num mix de comida e fotografia muito interessante. Na época, escrevi um post para o Dedo de Moça com algumas fotos deliciosas.

E voltando ao que interessa, Letícia foi viajar pelas suas terras e trouxe muita coisa boa na mala. Até agora não sei como nem onde ela conseguiu colocar tanta muamba. E assim, num sábado de chuva, ela abriu a casa dela para seus amigos.

Gente, que delícia. Matei os biscoitinhos de nata e as goiabinhas em uma tarde. Os figuinhos, então! Assaltava o pote com o dedo mesmo, lambuzando-me da calda da compota. Depois a gente lambe e seca na calça (eca). E descobri que nasci com um 'téquin que Goiás em mim ao comer a farinha de pequi e a paçoca (farinha com carne seca). Agora só falta algum dia eu provar do seu jiló.



Oct 19, 2012

Bolo Cookie

Sempre me imaginei uma daquelas mães que cozinha muito para os filhos. Já já virão as papinhas, depois os lanches de escola, e me vejo cozinhando aquele super café da manhã aos finais de semana com waffles e panquecas, fazendo bolos e recebendo os amiguinhos.

Mas nunca imaginei que um bolo seria o hit da tchurma da natação... Do marido! Há uns meses, ele participou de uma travessia. Dia ingrato, horas de busão, chuva, quase 4km nadando no mar. Eu fiz na véspera um bolinho, aquele bolo cookie, e ele levou para comerem depois da saída.

Pois não é que fez um sucesso? Domingo agora tem outra travessia e já encomendaram mais do meu bolinho. Dessa vez vou fazer duas assadeiras!

E percebi que, apesar de falar bastante dele, ter feito a versão com mini M&M's que apelidei de bolo aquarela, a receita não está publicada neste blog.

Só um detalhe: eu não coloco a cobertura no "bolo travessia" porque ficaria uma melequeira para se comer com a mão. Neste caso, coloco na massa 200g de chocolate picado a mais.


Massa:
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 colher (chá) de sal
200g de manteiga (temperatura ambiente)
100g de cream cheese
1 colher (sopa) de essência de baunilha
1 xícara (chá) de açúcar mascavo bem apertado na xícara
4 ovos
1 garrafinha de leite de coco (200mL)
200g de chocolate meio amargo em cubinhos miúdos ou em gotinhas
Manteiga para untar
Farinha de trigo para polvilhar

Para a cobertura:
200g de chocolate ao leite picadinho
200mL de creme de leite

Aqueça o forno a 180 ºC, unte com manteiga e polvilhe com farinha uma assadeira pequena.
Misture numa tigela os secos: a farinha, o fermento e o sal.
Em outra tigela, coloque a manteiga, o cream-cheese, a baunilha e o açúcar e bata com uma batedeira até ficar homogêneo. Adicione a esse creme os ovos, um a um.
Desligue a batedeira e adicione, misturando com uma espátula, o leite de coco e 1/3 da mistura de farinha, bata até incorporar e prossiga juntando mais 1/3 da mistura de farinha e depois o 1/3 restante.
Com delicadeza, adicione os cubinhos de chocolate à massa. Despeje tudo na assadeira.Asse por 35 minutos ou até que o bolo esteja dourado, crescido e, enfiando um palito no meio, que ele saia limpo.
Enquanto o bolo esfria, derreta o chocolate da cobertura em banho-maria ou no microondas, junte o creme de leite e misture até alisar.
Espalhe a cobertura sobre o bolo frio.

Algumas observações:

1. Se a manteiga não estiver amolecida, não a coloque no microondas. Ok, ok, eu já coloquei e as vezes até dá certo, mas a manteiga não pode se liquefazer. O melhor é deixá-la em cima da pia e esperar um pouco.

2. Já substitui o cream cheese por requeijão e funcionou bem.

3. Já troquei a farinha de trigo para untar a assadeira por açúcar cristal. Fica gostoso também, mas um pouco mais doce. Funciona bem no bolo sem cobertura. 

3. O bolo não dá certo usando chocolate branco. Ou melhor, até dá certo, mas ele não fica com os pedacinhos espalhados como um cookie. Parte do chocolate branco derrete, e o resto afunda ao assar, gruda no fundo e fica bem difícil de desenformar este bolo. O gosto fica bom, mas a aparência não é das melhores. Mas eu já fiz, coloquei uma pitada de canela e dei uma escondida nas partes quebradas.

Oct 12, 2012

Casa em ordem, mente em paz

Já morei em tanta casa que nem me lembro mais. Foram mesmo muitas casas, 2 de mamãe, 4 durante a faculdade e 5 desde casada. Uma amiga muito próxima me falou uma vez que, independente do tempo que eu passasse em cada casa, eu sempre dava um jeito de deixá-la com uma cara pessoal. Com pequenos detalhes, uma passada ao Ikea mais próximo ou à Leroy, não há nada que não se resolva. Fortemente acredito que, por 2 meses ou 20 anos, nosso lar tem que ter nossa cara, nos passar uma paz de espírito e tranquilidade.

E casa nova sempre tem mil coisas pendentes. Eu me mudei literalmente da maternidade para a nossa casa, com algumas caixas ainda por aí, marido cuidando dos retoques finais da obra, sentindo um pouco a diferença tão nítida de house e home que não existe na língua portuguesa (talvez semi-traduzida para lar e casa). Há móveis que não chegaram, quadros embrulhados em papel pardo encostados no chão, ideias guardadas e escritas em papéis que algum dia serão implementadas.

Recentemente li um post do Apartment Therapy muito interessante sobre 10 coisas que nos fariam nos sentir mais felizes em casa. O título brega, com um quê de auto-ajuda em promoção, esconde alguns pontos bem legais. Isso veio bem na semana que minha empregada foi afastada por razões médicas, e tive meus dias de passadeira, faxineira, cozinheira e de bff com o aspirador de pó. Contei com a super mãe para passar roupas do Dani, me ajudar com as tarefas, mas oscilei entre a vontade de jogar tudo pra cima e deixar a cama bagunçada por 3 dias e uma certa felicidade-Monica-Geller em arrumar a cama, colocar lençóis novos e limpos. Vai entender.

Para quem quiser ler o post inteiro, basta clicar no link. Abaixo os 10 itens, alguns com alguns comentários pessoais.

1. Make your bed.
 
2. Bring every room back to ready.

3. Display sentimental items around your home. A foto não tem que ser perfeita, o cabelo pode estar meio bagunçado, mas um porta-retrato faz toda a diferença.

4. Start a one-line-a-day gratitude journal. Não faço, não pretendo fazer, mas parece interessante.

5. If you can't get out of it, get into it. Louças não somem. A cama não se faz sozinha. Então faça de uma vez e pronto. Mas elas se acumulam de tempos em tempos, e tudo bem.

6. Before you get up each morning, set an intent for the day. Faz muito sentido quando se tem um filho pequeno, nos primeiros dias de volta da maternidade.

7. Do small favors for your housemates, expecting nothing in return (not even a thank you!).

8. Call at least one friend or family member a day.

9. Spend money on things that cultivate experiences at home. Essa não precisava falar duas vezes! Investimento na cozinha para receber pessoas!

10. Spend a few minutes each day connecting with something greater than yourself. Independente da religião ou falta dela. Something greater pode ser um passarinho que vem tomar água na sacada. 

Oct 1, 2012

Challah

Adoro fazer pães, e estava atrás de uma nova receita. Esqueci de incluir pão à lista de compras, então ontem a noite fui fazer um pão para ter o que comer no café da manhã de hoje.

A receita original, que rende 2 pães, você encontra no site Panelinha, da Rita Lobo. Aliás, este challah faz parte de um livreto bem interessante que qualquer um pode fazer download de graça lá também.

Claro que não seria uma receita minha sem pitado e alterações! Além da redução para a metade - já que 2 pães para 2 pessoas parecia uma enormidade e iam ficar velhos! - mudei alguns ingredientes: adicionei farinha integral, tirei o mel e troquei iogurte por leite. Também mudei um pouco algumas etapas do modo de preparo.

5g de fermento biológico seco
½ xícara de chá de água morna
¼ xícara de açúcar
1 xícara de farinha de trigo
1 xícara de farinha de trigo integral
1 ovo ligeiramente batido
1 colher (sopa) de óleo de canola
2 colheres (sopa) de leite integral
3 colheres (sopa) de manteiga derretida
1 colher (sopa) de azeite
1 colher (chá) de sementes de papoula
manteiga e farinha de rosca para untar

Em uma tigela, coloque um fundinho da água morna e o fermento. Os tabletes geralmente tem 15g, então usei 1/3 dele. Amasse com um garfo até ficar uma pasta, depois adicione o restante da água morna e o açúcar. Misture bem e deixe descansar por 15 minutos. Como ontem estava frio, eu deixei em cima do fogão, que estava morninho. A água tem que estar morna, mais ou menos na nossa temperatura. Se estiver muito quente, ela mata o fermento. Se estiver fria, o fermento não espuma. Nos dois casos, o pão pode virar sola de sapato.

Em um pote, misture o ovo, óleo, leite e manteiga derretida.

Em uma tigela grande, coloque as farinhas e a misturinha do fermento. Misture levemente com um garfo e adicione a mistura líquida (ovo, óleo etc). Misture bem com as mãos. Como a receita original não falava em sovar a massa, eu misturei por uns 5 minutos. Se algum entendedor de challah souber, por favor me diga se a massa é sovada ou não. Deixe descansando (pode ser no mesmo pode onde você misturou todos os ingredientes) por 1 hora.

Sobre uma superfície limpa, divida a massa em 3 pedaços. Eu usei uma tábua, então não polvilhei farinha de trigo, mas se você for fazer na pia, é melhor espalhar um pouco de farinha.

Deixe pronto ao lado uma forma untada com manteiga e farinha de rosca. Eu gosto mais da farinha de rosca do que a de trigo, pois o pão não fica esbranquiçado depois de assado. Mas pode usar qualquer uma.

Faça rolos de uns 30cm com cada pedaço. Junte as pontas e trance os rolos. No final, coloque as pontas para baixo. Coloque o pão na forma e deixe descansar por mais 30 minutos. Deixei descansando em cima do fogão, enquanto o forno pré-aquecia (180ºC).

Se você tiver um azeite com bico dosador, basta espalhar uns fios direto no pão, sem frescura. Depois espalhei com os dedos. Se não for o caso, coloque o azeite em um pote e espalhe com um pincel. Salpiquei papoula e um pouco de flor de sal, mas pode usar um salzinho grosso. A receita também fala em pincelar uma gema, mas eu não tinha mais ovo!

Leve para assar por 40 minutos. Para saber se o pão está pronto, você precisa levantá-lo e bater no fundo (pode ser com uma colher mesmo). Um pão pronto fará som de oco. Sirva quentinho com uma manteiga gostosa!