Nov 4, 2011

Em Roma...

...Faça como os romanos, certo?

E lá fui eu encontrar uma grande amiga minha, que nasceu e cresceu comendo as melhores massas do mundo. Não sei o que existe naquela farinha, naquele ovo, ou nas mãos das nonnas que fazem os macarrões, mas algo de diferente tem, né?

Eu tive a grande sorte de passar um domingo inteirinho com a minha amiga e seu marido, andando sem rumo nem mapa por Roma. Ah, tem coisa melhor do que passear assim? Eles montaram um roteiro para nós com o que consideram o melhor café, a melhor massa e os lugares que, como turistas comuns, não conseguiríamos chegar.

Bom, o melhor café? Brasileiro, claro. A decoração é rústica, antiga e completa por sacos de café Brasileiro. Mas com uma espuminha perfeita no cappuccino. Ah, e o maridão vai de chocolate quente, também maravilhoso. O lugar se chama Sant Eustachio, e vive cheio. Mas faça como os romanos, peça seu café e tome com o cotovelo encostado no balcão. "Mesas são para turistas. Ou milaneses." Ui.


O almoço foi em um restaurante simples, daqueles de toalhinha branca e parede azul. Qual o nome? Roma Sparita, na Piazza de S. Cecilia, lá em Trastevere.

Foi nesse lugar que comi o melhor macarrão a la matriciana da minha vida, e olha que não foram poucos! Molho perfeito, pancetta crocante e guardanapo preso na gola da camiseta. Recomendação local, pois a massa do matriciana é o buccacino, um cruzamento de penne com spaghetti, mais difícil de puxar e que voa para todos os lados. Fiz como os romanos e saí de lá sem uma manchinha.


Mas como um macarrão nunca pode ser suficiente, eu e o maridão pedimos dois diferentes. E sim, a gente come até a metade e troca os pratos! O segundo foi o caccio e peppe. Fantástico! Parece super simples, mas é uma arte: adiciona-se queijo parmesão ralado a um pouco da água de cozimento do macarrão, que tem que ter uma quantidade certa de amido. Vira um creme! Simples assim, é servido com pimenta preta moída na hora e muito queijo, tudo dentro de uma cestinha de parmesão crocante.


E pra terminar a tarde, um gelato! Foram muitos, diariamente, porque pegamos um calor atípico para setembro - fala sério, eu que adoro frio e não preciso de desculpa pra tomar sorvete nem num dia com máximas de 10ºC. Nesse dia, fomos ao Ciampini e pedi um sabor que ficou na memória: pêssego com pignole. Que maravilhoso! Geralmente sou fã dos óbvios de leite, chocolate, morango e outras frutas, mas nesse dia inovei e acertei em cheio. O lugar estava cheio, o sorvete derretendo, eu morrendo de calor, a foto foi do telefone mesmo.


Tivemos muitos outros dias de viagem, de comilança e passeios. Vou escrevendo aqui aos pouquinhos, mas ainda está por vir o interior da Itália, Berlin, Munich e Praga!

* Comentário sobre a demora dos meus posts: eu perdi meu Moleskine no último dia de viagem na Europa. Triste, muito triste, já chorei todas as pitangas que eu podia. Recordar o nome dos lugares, então, ficou mais difícil. Mas para a sorte deste blog, das minhas memórias e consolo, eu carrego um pacote durante a viagem onde coloco meus "lixos": tampinha de cerveja, fósforo de restaurante, cartão de visita, mapas riscados, endereços de lojas. Ufa! Só ainda não tive pique pra re-escrever tudo em um Moleskine novo.