Jan 9, 2011

Aniversário light

O aniversário do meu avô deste ano foi um pouco diferente: me ofereci para testar algumas receitas e fazer o jantar. As dificuldades: tudo tinha que ser meio light, com pouca gordura, pouco sal. Nada frito, sem carnes gordurosas nem muita manteiga. Além disso, lembro-me dos aprendizados da FCI em que temos que tomar mais cuidado ao cozinhar para pessoas idosas, que são mais sensíveis à intoxicações alimentares.

E além de todos esses fatores, ainda tinha o pós fim de ano, com prateleiras de supermercado mais vazias, escassez de produtos frescos na peixaria e uns camarões com cara de "sobra de 2010". Hm, ok, esse aí não seguia a recomendação das aulas.

Comprei um robalo inteiro - parênteses pro pensamento: meu avô até me contou que tipo de robalo era aquele, mas eu me esqueci! Ele falou que era o da cara meio magrela e comprida. Enfim! Pergunto depois. Voltando ao robalo, fiz um daqueles peixes inteiros assados na casquinha de sal grosso. A casca é super simples, basta misturar em um recipiente:

3½ xícaras de sal grosso
3 ramos de alecrim
2 punhados de salsinha
1½ xícara de farinha de trigo
1 xícara de água morna
pimenta moída na hora a gosto

Esse "volume" cobriu um peixe de 1½ kg. O peixe tem que estar limpo, sem escamas e barrigada, e deve-se tomar cuidado para que o sal não entre em contato com a parte de dentro, pra não ficar salgado demais. Vale também colocar um ramo de alecrim dentro do peixe para aqueles que gostam bastante, ou até trocar as ervas por tomilho, estragão, o que a curiosidade permitir. Leve ao forno a 210ºC por 40 minutos.

Fico devendo a foto. Na emoção de cortar a casquinha que fica bem dura, servir todos e acrescentar os complementos aos pratos, esqueci completamente de registrar o momento.

O peixe foi acompanhado por batatinhas simples cozidas e gratinadas com parmesão e um risoto com legumes macedoine (os cubos de 5mm de lado). Bem bonito, decorado com aspargos aferventados e um punhadinho de queijo parmesão.

E pra finalizar o jantar... o bolo! Fiz um pão de ló quase infalível. Minha mãe "quando era mocinha" fez um curso de culinária básica e tem até hoje um caderno com as receitas da época. É aqueles caderninhos sem capa, espiral enferrujado, folhas amareladas e com manchas de espirro de massa de bolo. Tem um monte de receita do dia a dia, adoro! E tem esse pão de ló:

Bata 6 claras em neve. Em um recipiente a parte, junte as 6 gemas à 6 colheres de sopa de açúcar. Combine a clara em neve com a gema, e depois acrescente 6 colheres de sopa de farinha de trigo com 1 colher de chá de fermento em pó. Misture bem de leve para não perder o ar da massa. Coloque em uma forma untada e asse em forno a 180ºC por 20-30 minutos ou até que um palito de dente saia limpinho da massa.

Procurei um creme de confeiteiro no Epicurious e encontrei [este pastry cream]:

2¼ xícaras de leite
6 gemas
2/3 xícara de açúcar
1/3 xícara de amido de milho

Combine ½ xícara de leite + gemas + 1/3 xícara de açúcar e o amido de milho.

Em uma panela, coloque para ferver o restante do leite e do açúcar. O ideal é escaldar a mistura da gema com o leite+açúcar fervido e depois devolver a mistura à panela. Isso evita que a gema talhe e o creme de confeiteiro fique empelotado. Leve ao fogo baixo e misture bastante de preferência com a ajuda de um fouet (fuê!) até o creme engrossar. Cozinhe por uns 3 minutos misturando vigorosamente pra não ficar aquele gosto de Maize... ops! Amido de milho.

Uma dica para deixar o creme mais levinho é usar leite desnatado e reduzir a quantidade de gemas de 6 para 4. Não fica igual, mas pesa menos na balança. Dá pra também usar meia xícara de açúcar em vez de 2/3 se os morangos estiverem doces.

Enquanto o creme esfria, toda a sua superfície tem que estar em contato com plástico-filme. Assim aquela película mais grossa que depois fica empelotada não se forma.


Pronto! É só cortar o bolo ao meio e recheá-lo! Mais fácil falar do que fazer, né? Eu já tentei a técnica do fiozinho, ir cortando pelas laterais... mas pra mim a solução foi comprar uma faca com serra BEM comprida. E coloque a palma da mão que não segura a faca bem em cima do bolo para que ele não dance.

Pra finalizar, morangos fatiados bem fininho no recheio e raspas de chocolate meio amargo. Inventei esse chocolate de última hora e, como não tinha nenhum por lá, corri até o posto da frente e comprei 2 Alpinos. Pra ficar bem bonitão, creme de confeiteiro e mais morangos pra cobrir. Usei uma caixa inteira nesse bolo.

2 comments:

Marilia said...

Para se lembrar que light também pode ser gostoso!

Giselle said...

Imagino como esse aniversário ficou delicioso e inesquecível. Deve ter sido um dos presentes mais queridos!