Dec 6, 2010

Thanksgiving

Thanksgiving - a festa de Ação de Graças - é uma coisa muito americana, né? Todo mundo pensa no peru, no stuffing e na pumpkin pie. Já passei de formas diferentes. Meu primeiro Thanksgiving foi com uma família linda que nos acolheu e explicou as tradições e costumes. A celebração da última colheita, as cores e os ingredientes tão típicos do outono.

O segundo Thanksgiving não foi tão tradicional nem romântico, mas ainda assim teve peru: fui comer lá no [Brasserie 8½] com o maridão e uma amiga. O peru era bem feito, e achei que valeu muito a pena.

E esse ano tivemos um Thanksgiving ainda mais diferente: fomos convidados pela Liana, uma amiga minha da FCI, para passar em Lodi, uma cidadezinha minúscula que fica a 5 horas de Nova York.

A região de Finger Lakes, onde fica Lodi, é famosa por sua produção de vinhos. E qual a sorte de realmente ficarmos em um dos produtores locais, pois os pais dela são os donos da Shalestone Vineyards. Estávamos rodeados por parreiras, e tínhamos vinhos gostosos acompanhando todas as refeições do feriadão.


E olha que legal: a família divide as tarefas da cozinha, e assim cada casal é responsável por criar um prato. E pra coordenar a comilança toda, o "jantar" começou às 2pm. O irmão da minha amiga ficou com a salada: folhas verdes com queijo de cabra, nozes, cranberry secas e um vinagrete de vinho branco.


O meu prato foi, claro, o peixe. Pensando que a festa de Ação de Graças é uma coisa tão cultural, resolvi colocar um pouquinho da minha cultura no meu prato: fiz um ceviche de hamachi - um peixe japonês também conhecido como yellowtail - acompanhado de rice crackers, mini-beterrabas e temperado com togarashi, uma pimentinha japonesa.


Ceviche é uma bricadeira fácil de se fazer, em que a gente pode misturar os ingredientes favoritos sem muita forma nem ordem. Segui uma receita de uma amiga chilena, adicionando pimentão vermelho, cebola picadinha, abacate, suco de limão e azeite. Basta deixar ali "marinando" até o peixe ficar com uma aparencia de cozido. Para acompanhá-lo, escolhi um sakê chamado "g" produzido pela [SakeOne] no Oregon.

O prato seguinte foi um cozido de coelho com gnocchi na manteiga, preparado pela minha amiga. Gente, maravilhoso! O coelho ficou cozinhando por mais ou menos 1h30 com cenoura, cebola, temperinhos e caldo de frango. Dava vontade de comer mais, mas a gente sabia que ainda vinha mais comida pela frente e se conteve.


Às 5:30pm saímos pelas fazendas pra fazer a digestão. Uma caminhada gostosa debaixo de um friozinho de 1ºC. E voltamos pro peru! Um peruzão de 19lb (8,6kg) acompanhado por um soufle de cenouras e couve com alguns tubérculos.


E as sobremesas: a Liana fez uma torta de cranberry com peras deliciosa e a mãe dela fez a tradicional pumpkin pie, que nunca pode faltar.


Eu fiz uma tortinha de massa de chocolate amargo com recheio de brigadeiro e gelatina de yuzu, uma fruta cítrica japonesa. Uma misturinha japonesa e brasileira que ficou muito gostosa, e foi decorada com lascas de coco.


O jantar acabou lá pelas 9:30pm, e ficamos na sala conversando um tempão para fazer a digestão. Até nevou um pouquinho para deixar o Thanksgiving ainda mais especial. E as receitas? Achei bem engraçado, quando perguntei para a Liana, ela me respondeu: "procura no [Epicurious], estão todas lá!" =P.

1 comment:

Marilia said...

Ma-ra-vi-lho-so!!
Adorei o espírito.
bjs