May 25, 2010

Fim de semana de Casa e Momofuku Ko

Comemorar o aniversário para mim vai muito além de comemorar o próprio nascimento. Deixando de lado o narcisismo exagerado, eu acho que é sobre comemorar as coisas boas que acontecem na nossa vida. É comemorar que você tem pessoas que ama, que você tem saúde e que você vive.

Então feita a introdução, eu tinha mesmo é que comemorar MUITO! De pedicure com amiga à algodão doce, a minha manhã de sábado foi super gostosa, e o dia terminou com um jantar no [Casa], o melhor restaurante brasileiro de NYC. Ele incorpora o bom gosto da culinária brasileira a peças de decoração do nordeste com muito estilo.

A comida é fantástica! Experimentei a feijoada e o filé "do Morais" que eram muito gostosos. O filé era super bem feito, com mandioca molinha e farofa a parte. A feijoada era também fabulosa! Vinha com tudo que a gente tem direito. E claro que a virada para o domingo foi comemorada com "Parabéns pra você" cantado em 4 línguas diferentes, brigadeiro e pudim.

E o domingo foi o tão esperado dia do [Momofuku Ko]. Pra quem não conhece, ele é o melhor restaurante do David Chang. Conseguir uma reserva para algum dos 12 lugares é quase impossível e só pode ser feito online e com uma antecedência de 7 dias. Não existe cardápio e você come (e come muito, pois são 8 pratos!) o que há de mais fresco no dia. Tem de tudo e mais um pouco no cardápio, e eu que sou um pouco desconfiada de omakase, menu confiance e outros nomes para "manda ver que eu como", adorei tudo.

Para a minha profunda tristeza, pois infelizmente a memória não é tão boa para lembrar tudo, eu só tirei foto do amuse-bouche que veio e me falaram que eu não poderia tirar fotos dos pratos. Tive que deixar o espírito bloggeira-cozinheira de lado naquela noite e aproveitei muito esse jantar que é especial a cada entrega de prato. Aliás, quem entrega o seu prato é o sous chef, os garçons só servem bebidas. Intimista? Imagina então quando o próprio David Chang apareceu por ali!

Texto pro Hot Plate

O [Hot Plate] é o blog da FCI. Há posts sobre todos os eventos da escola e o que está acontecendo no mundo da culinária. E semama passada me pediram para escrever um texto sobre o jantar dos alunos internacionais. Yu-hu!

Esses jantares são eventos bem legais que acontecem a cada 2 meses exclusvamente para os alunos internacionais. Eu perguntei para o organizador de onde tinha saído essa ideia, e ele me falou que além de integrar os alunos, dividir experiências e dificuldades entre pessoas que estão em níveis diferentes, o principal objetivo era dar em troca algo para pessoas que vem de lugares tão diferentes e que de certo modo se sacrificam mais para ir a FCI. "As pessoas estão longe das suas casas e das famílias, então pensamos em algo que fosse especial para elas."

E os jantares são sempre MUITO especiais, os restaurantes criam cardápios e realmente abraçam a causa! O Rosanjin criou um menu especial para nós com ingredientes maravilhosos importados do Japão. Pra ler (em inglês) um pouco sobre a nossa experiência, [clique aqui].

May 23, 2010

Desculpa pra comer mais ainda

Não que eu realmente precise de desculpa alguma pra comer, mas às vezes eu preciso dar uma desculpinha esfarrapada à minha consciência pra comer MUITO. E esse fim de semana é um daqueles em que eu usei até a carinha de pidão do gato do Shrek pra convencer a minha consciência.


Fui de algodão doce cor de rosa à comida brasileira de qualidade com filé mignon do Morais e brigadeiros ontem lá do [Casa], e hoje vou rumo ao [Momofuku Ko]. E os post vem depois, enquanto tomo meu cházinho de camomila.

May 22, 2010

Pós Buffet

Nosso buffet foi uma experiência muito legal. Cozinhamos e preparamos tudo durante uma semana. Depois de chegar às 7:30 ontem na FCI e cozinhar insanamente por algumas horas, quase tudo saiu bom. Claro que há certas coisas que a gente não controla, frituras perdem o seu ponto quando esperam por muito tempo, mas o saldo foi bem positivo.


A luz baixa da cozinha - consequência da projeção de um filme de kung-fu - não ajudou muito a qualidade e principalmente a cor das fotos. Mas além da minha máquina - que ficou nas mãos de uma amiga - também haviam outras, então fico na espera de fotos mais coloridas e interessantes.


E pra fechar com muita breguice, foto de karatê do grupo Awesome Asia.

May 21, 2010

Enfim, Buffet

E pra matar a curiosidade um pouquinho, segue a nossa lista do Buffet Awesome Asia, deixando claro que o nome saiu de um momento em que cansados, doloridos e fedidos a pato defumado, um dos meninos gritou "We are awesome. Yes! Awesome Asia", e o nome grudou. Modeeeesto... não?

1. Grapefruit Salad with Thai Caramel
2. Fish Cake with Sweet Chilli Dip
3. Steamed Cod with Nam-Jim Sauce
4. Sushi Rice Risotto with Shitake and Shimeji Mushrooms
5. Curry Pan
6. Pork belly buns with Carrot and Daikon Pickles and Scallion
7. Mushu of Tea Smoked Duck
8. Soba Salad with Pulled Duck Confit, Pickled Cucumbers and Omelet
9. Chinese Sausage Salad with Rice Wine Vinaigrette
10. Shrimp Summer Roll with Satay Sauce
11. Duck Skin Salad with Hoisin and Yuzu Sauce
12. Pineapple rice
13. Bahn Mi: Vietnamese Sandwich with Chicken Liver Mousse, Ham, Pickled Carrots, Pickled Daikon and Cilantro
14. Pho Bo
15. Thai Curry Pot with Chicken
16. Salt and Pepper Shrimp
17. Crispy Marinated Quail
18. Chicken Liver Mousse
19. Tomato Sambal
20. Crispy Pig's Feet
21. Red Bean Ice Cream
22. Green Tea Cheesecake
23. Vietnamese Iced Coffee
24. Water Chesnut Noodles with Red Beans
25. Tapioca Coconut Sago
26. Bananas Foster Asian Style
27. Fortune Cookies

May 20, 2010

Menu Project

Uma das nossas etapas é criar um Menu Project, o que de todas as fases é a que mais lembra um projeto de conclusão de curso. Ele é composto por divesas partes: tema e dissertação sobre ele, escolha e pesquisa de um ingrediente, criação de pelo menos 4 pratos com 1 pareamento de vinho e 1 cálculo de custo.

E pra tirar isso da minha frente, eu decidi fazer logo e não passar a madrugada da véspera da entrega no Fedex imprimindo as coisas. Esse também é um dos motivos do break nos posts aqui, pois eu passava exaustivas horas na cozinha ou no computador.

E qual o meu tema? Algo que você vê assim que olha pra mim: Brazilian Japanese Cuisine, a hundred years of samba and soba.

Foi uma experiência muito interessante, pois elaborei um cardápio em cima de pratos que minha avó fazia, ou então em coisas que eu lembrei da minha infância com meu diitian no sítio. As mexericas de lá, os peixes que ele trazia das pescarias e o curau da estrada foram algumas das inspirações pro meu cardápio. Isso misturado ao picadinho brasileiro, um franguinho assado e brigadeiro fizeram parte de muitos jantares aqui em casa e algumas tardes na cozinha.

Meu ingrediente foi leite condensado, expliquei brevemente sobre a sua descoberta, evolução e história no Brasil e no mundo, e usei em duas sobremesas. Meus vinhos - na verdade, bebidas - foram alguns que tomamos em viagem, o vinho do casamento, o vinho da viníloca da lua de mel e uma infusão de Sagatiba com pickles de ameixa japonesa. Ah, e um chá verde pra acompanhar a sobremesa.

E hoje ele chegou de lá da Apple e seu mundo mágico em que você cria um foto-livro, manda pra eles e o livrinho chega na sua casa. Até mandei fazer uma cópia extra pra guardar.

Ufa. Agora é só pensar no buffet de amanhã.

May 18, 2010

O preparo do buffet

O que acontece nas minhas aulas que eu ando tão sumida?

Vamos lá: nesse momento escrevo da FCI - e por isso meu post está sem acentos. Eu pretendo consertar em breve, mas não queria perder as ideias (update que você percebeu, já arrumei). Estou aqui até um pouco mais tarde, pois estamos organizando nosso buffet. Mas eu preciso começar do comeco pra chegar no dia de hoje.

O nivel 4 é dividido em 3 grupos: family meal, production e buffet. Nossa sala também foi divida em 3 grupos, cada um começando em uma etapa. Em family meal, você aprende a cozinhar em volumes gigantes para alimentar toda a escola e suas 350 bocas famintas diariamente. Parece bobo, mas como usar os temperos e proporções em grande escala é uma coisa bem interessante. É também importante saber como manter tudo isso de comida - e que comidas preparar! - levando em consideração as condições em que elas serão armazenadas. Como ninguém come ao mesmo tempo, você tem que levar em conta que a comida fica preparada e pode esperar até 1hora para ser servida. E tem que lembrar que o peixe frito pode ser delicioso, mas vai ficar todo empapado se for mantido em banho-maria por muito tempo.

Production poderia ser bem entediante, mas demos sorte. Como o próprio nome diz, é onde se faz toda a parte da produção para o restaurante da escola. O [L'Ecole] é como um restaurante qualquer, mas os alunos são responsáveis pela comida. Vantagem? A gente aprende e qualquer um come por menos, pois não há o repasse do custo da mão de obra dos cozinheiros. Production, então, se responsabiliza por pegar um peixe e deixar os filés prontos e sem espinhas, em limpar a carne do excesso de gordura e de fazer muitos e muitos caldos (de galinha, carne, o que vier pela frente). A nossa "sorte" foi que a chef responsável nos deixava a vontade para testar algumas receitas com pedidos extras de carne, e fizemos de pastramis a cookies e granola no nosso tempo extra.

E agora estamos na última etapa, em que o nosso grupo é responsável por fazer um buffet sofisticado para 50 pessoas, que são basicamente todos os chefs da escola. Os outros dois grupos escolheram como temas "O Sul da Franca" e "A primavera na Costa Leste". O nosso tema é "Asia", e tentamos pegar diferentes pratos de diferentes regiões e países. Tem de tudo, de bolinhos de peixe, linguicas chinesas - sim, a gente que faz! - até sorvete de feijão japonês, bubble tea e a receita de curry pan da minha avó (na foto abaixo, esperando para ser frito).

O legal disso é que a gente tem a oportunidade de lidar com ingredientes que não usamos com frequência, fazer coisas diferentes ou experimentar receitas curiosas. O aprendizado é fantástico e novamente demos sorte com o nosso chef. Ontem tivemos um "tour" por Chinatown com ele em busca de ingredientes exóticos que não conseguiriamos encomendar no estoque da escola. Comprei coisas que nunca vi na vida, e até ingredientes tóxicos! Há uma castanha que se chama candle nut. Ela é um dos ingredientes do curry - porque curry não é uma especiaria, mas sim um mix de muitas - e se consumida crua, pode ser faltal. Afe!

Estamos todos ansiosos e com uma lista gigante de tarefas para amanhã e quinta. O buffet será apresentado na sexta, tomara que dê certo. E espero contar com a boa vontade de alguém para tirar fotos para mim.

May 14, 2010

SD 26, o Novo-Velho Italiano

Faz um tempo que não escrevo sobre restaurantes. Estava guardando esses textos para o [Comidinhas], mas recentemente fui a tantos que fica uma sobrinha pro Cozinhando!

Eu li muitas críticas elogiando o [SD26]. Começa com a localização: na rua ao norte do Madison Square Park, que é lindo e fica muito iluminado a noite. Pra aproveitar, ainda demos uma espiadinha na exposição [Event Horizon] do Antony Gormley e suas esculturas de figuras humanas espalhadas pela praça.

E ainda pra juntas um monte de coisa, fomos reencontrar uma amiga espanhola que mora na Belgica e veio passar uma semaninha de férias aqui.

O restaurante é gigante, tem uma área de bar bem espaçosa, cozinha aberta e espaços para eventos. Foi votado pela Time Out Magazine como um dos melhores comebacks do ano de 2010. O traditional San Domenico fechou as portas, e em seu lugar cresceu o DS26. Ainda é comandado pelo pai Toni e filha Marisa, que mandaram seus chefs lá pra Itália para criarem um cardápio que mistura a cozinha italiana, toques mediterrâneos e ideais bem modernas.

Uma maquininha que lembra um video-game vem a sua mesa, e você escolhe o vinho por região, uva, preço ou recomendações para cada prato. Seu pedido é redirecionado eletronicamente ao sommelier, e em minutinhos ele chega a sua mesa. Tem também uma vending machine com 24 vinhos, em que você pode escolher o tamanho do gole. Tem golinho de 1oz (30mL) ou golão de 5oz (150mL), e preços que variam bastante.

O cardápio não é separado na forma tradicional entrada-prato-sobremesa. Ele tem uma divisão de pratos por ingredientes, e cada prato pode ter um tamanho mais moderado ou maior, dependendo da fome e do que você estiver a fim. Há massas, saladas, carnes - e uma divisão interna por tipo de carne - e os queijos. Se você quiser, pode jantar um pratão de queijos ou mesmo duas "entradas".

Em um grupo de 5 pessoas, o garçon sugeriu que dividíssemos um prato de queijos, acompanhado de um prato tamanho de gente grande para cada um. Tinha um gorgonzola molenguinho, Grana Padano, Pecorino e outros dois escolhidos pelos visitantes. Todos eram muito saborosos, mas tem que gostar de queijo italiano forte pra encarar esse prato.


Meu prato foi um simples risotto, com queijo e um jus de caldo de boi que é feito na casa. Muito gostoso, ponto perfeito e quantidade bem a la mama, mas a mão do sal era um pouco pesada pra mim.


O maridão pediu um tagliatelle caseiro com molho bolonhesa, também bem simples, mas que era fantástico. O melhor prato da mesa, com certeza.


E sobremesa? Vamos em duas: uma panna cotta de polenta acompanhada de maçã caramelizada e um tiramissu. A polenta dá uma textura diferente à panna cotta, pois fica um pouco granulada, mas o sabor era muito bom. O tiramissu era também muito gostoso, muito bem acompanhado de calda de café.


Onde? 19 East 26th St, F: (212) 265-5959

May 12, 2010

MilkMade - A segunda entrega

Mais um sorvetinho chegou em casa. E a surpresa: chegaram dois!

Tem gente que vai me chamar de reclamona. Eu prefiro chamar de uma pessoa que gosta de feedback. Eu realmente acredito que críticas podem ser construtivas e que elas podem melhorar produtos, pessoas e comportamentos.

Mandei um email para as meninas do Milkmade contando que o sorvete de abril tinha ficado um tanto cristalizado, e também que o sabor era forte - amargo - demais. Elas me responderam e falaram que, como um pedido de desculpas, eu iria receber dois potes de sorvete neste mês em vez de um.

Resolvi escolher um de cada, pois os dois soavam bem gostosos. O primeiro era a cara do Fê: Fresh mint ice cream with chunks of chocolate brownies. O segundo tinha Py no rótulo: honey ice cream with a hint of lavender, topped with crunchy granola. E ueba! Recebemos os dois!

E o que eu achei? Vamos lá!

- A segunda impressão foi muito melhor do que a primeira. O sorvete de mel com lavanda e granola é fantástico! O sabor é super suave e não parece que você está lambendo o hidratante da L'Occitane. Acabou em menos de dois dias e foi comido do pote a colheradas. E adivinhem: foi o favorito do Fê! Tirando as granolas e deixando-as pra mim... Eu adorei.

- O segundo sorvete, o de menta com brownies, é muito interessante. Ele não tem a cara nem o gosto de sorvete de menta que conhecemos. Me lembrou muito os meus chás de menta fresca, que eu amo. Os brownies eram especialmente selecionados do mesmo fabricante do Ben & Jerry's, então dá pra imaginar que eram bem gostosos. Mas novamente a consistência era um pouco gélida. Entendo que elas seguem a filosofia da ausência de químicos, e consequentemente, a exclusão de gomas e estabilizantes que deixam os sorvetes mais cremosos. Mas acho que há alguns tipos que não tem jeito mesmo. O gosto era bom, mas mastigar gelinhos não era muito agradável.

E sabe o que melhorou o sorvete de menta? Uma farofinha de caju pra sorvete bem brasileira que eu ganhei na última ida do maridão ao Brasil.

Mês que vem chega o último sabor da nossa membership. Eis que surge a dúvida: renovar ou não renovar..?

May 8, 2010

Fotos do Franguinho

Ueba! Olha que legal: o fotógrafo Jeff Bachner também se voluntariou e foi lá com a gente no jantar na PS 91, aquele franguinho com legumes e canja que fizemos com a ONG Seeds in the Middle no Brooklyn.

Rachel, eu, Naz e Vasni, os cozinheiros-voluntários

Para ver todas as 90 fotos da preparação ao jantar completo, [clique aqui].

[Click here] for more photos on this event.

May 5, 2010

Gourmet Food Truck Bazaar

As comidas e guloseimas de caminhões sempre foram bem conhecidas em Nova York, e eu sempre passei bem longe da grande maioria delas. Ninguém é de ferro e eu confesso que já comi um hotdog do Sabrett, mas me deu aquela nóia da dor de barriga do dia seguinte. Pretzels? Nunca, mas porque são muito borrachudos.

E de uns tempos para cá surgiram os caminhões mais sofisticados e adaptados para produzirem - ou venderem - comidas de qualidade. Começa com a instalação de pias para os vendedores lavarem suas mãos, né? E eu já falei de alguns deles, como o [Street Sweets] que vende cookies, bolos e sopas durante o inverno.

E no final de semana passado organizaram um [Gourmet Food Truck Bazaar] no mercado de pulgas do Hells Kitchen, bairro em que moro. Eu nunca tinha ido ao mercado, e com o calor que fazia naquele domingo, eu nem olhei as barraquinhas. Mas com algumas amigas para dividir as porções, consegui provar muita comida dos caminhões mais famosos de Nova York.

Chegamos às 11am e demos muita sorte, pois em meia hora as filas cresceram e para pegar um sorvete demorava até 30 minutos. A primeira parada foi no Rickshaw Dumplings Truck, caminhão em que Anita Lo, participante do Top Chef Masters, faz parte do time de sócios badalados.


Comemos dumplings de carne de porco, de frango - que era recheado de peito de frango com macarrões fininhos e transparentes - e de edamame, soja temperadinha. Muito gostosos, fresquinhos e cada um com um molhinho diferente.


Também comemos um hamburger do Go Burger, o caminhão que faz parte do grupo BLT Restaurants que tem alguns restaurantes muito bons pela cidade. O hamburger era gostoso, as batatinhas, um pouquinho murchas. O milkshake bem esquisitinho, muita espuma pro meu gosto.


E com o calorzão que estava, enfrentamos a fila pelo famoso Big Gay Ice Cream Truck. Pra quem não conhece a história, Doug Quint recebeu uma proposta para tocar um caminhão do Miss Softee, aqueles que perambulam pela cidade vendendo os sorvetes de casquinha com granulado colorido. Abandonou a vida de tocador de fagote e revolucionou o mundo dos sorvetes de bauniha com sabores inusitados e misturas interessantes.


Eu tomei um sorvete de baunilha com cobertura de doce de leite, flor de sal e chocolate que era maravilhoso! Acho super interessante que ele ainda usa - claro - a base do Miss Softee, e para todas as minhas amigas americanas, era um gostinho de infância com um toque de sofisticação muito legal.

May 2, 2010

Franguinho nosso de cada dia

O mundo hoje é gordo e há lugares em que isso fica ainda mais evidente. Todos conhecem o estereótipo do americano rechonchudo, mas o problema da obesidade é acompanhado da má nutrição. Jamie Oliver em seu novo programa [Food Revolution] mostra como vários dos alimentos favoritos entre adultos e crianças tem ingredientes de baixa qualidade e são combinados formando uma refeição completamente desbalanceada. O que as vezes acaba acontecendo é que as pessoas que já tinham consciência disso assistem ao programa e se chocam, mas os que não ligam pra isso mantêm os mesmos hábitos alimentares. Muito triste.

Mas assim como Jamie Oliver, há outras pessoas que tentam fazer a sua parte e acreditam que o trabalho de formiguinha pode sim mudar o mundo. Há alguns meses eu conheci a [Seeds in the Middle], uma ONG que tenta mudar um pouco a vida de alunos de uma escola de um bairro muito pobre do Brooklyn. As atividades envolvem um jardim com legumes, futebol, passeios de bicicleta e a conscientização da importância de uma alimentação equilibrada. Segue um trecho do site deles:

"In NYC, two out of every five children elementary school are overweight. Central Brooklyn is identified as one of three neighborhoods in NYC with the highest obesity, diabetes and heart disease rates, meaning even more children and adults are overweight than the city average. A third of the adults in Crown Heights is overweight. One out of eight has diabetes; and the neighborhood has the highest rate of deaths from heart disease between the ages of 54 and 65 in NYC."

E considerando tudo isso, eu fui fazer uma apresentação sobre como uma refeição pode ser balanceada e custar tanto quanto um jantar de junk food. Eu e mais duas colegas da FCI saimos da aula e fomos cozinhar para um pouco mais de 40 pessoas, dentre elas muitas mães que cuidam sozinhas de seus filhos trabalhando em dois ou três lugares diferentes, crianças que cuidam de seus irmãos menores e alguns pais e professores.

Como a idéia era fazer algo simples, rápido, fácil e barato, escolhemos frango assado com legumes. Para reduzir custos, explicamos como você pode obter 8 pedaços de um frango inteiro (um frango inteiro custa em média $4 na região), mariná-lo com mostarda, óleo, um pouco de abacaxi em calda e assar no forno. Junto com o frango, colocamos alguns vegetais que não são tão caros, como batata, abóbora, tomate, cebola e cenoura.

Ainda aproveitamos para mostrar como as sobras de um jantar podem virar o jantar do dia seguinte fazendo uma sopa - usando os ossos para o caldo e desfiando um pouco do frango, adicionando também as sobras dos legumes.


As receitas eram bem simples e podem ser adaptadas com o que se tem em casa. As crianças maiores nos ajudaram a cortar os legumes, e uma delas disse que faria para o jantar num dia em que sua mãe chegasse mais tarde.


O legal foi que recebemos o apoio da FCI, e todos os alimentos foram doados para o evento. E quando eu estava já super cansada de cozinhar o dia todo, fui surpreendida com esse cartaz muito fofo.