Apr 26, 2010

KitKat sabor "Chá da Realeza"

Que os japoneses são bem criativos quando se trata de comida, todo mundo sabe.
Entre tantas coisas diferentes que comi enquanto estava no Japão está um KitKat com chá verde e também um outro com kinako, uma farinha extraida de soja.

E da minha ida ao Sunrise Market para comprar um saco de arroz japonês saiu também um KitKat sabor chá da realeza com leite. É bem interessante, o chocolate do wafer é ao leite, mas a cobertura é de chocolate branco e é ela que ela dá o gostinho do "leite" na mistura final.


Ele é bem doce e tem as suas notas de bergamota, presente no chá Earl Grey que geralmente é servido com leite e eu adoro, hábito que adquiri com o César quando fomos visitá-lo em Londres. É só fechar os olhos e sentir o gostinho do chá no chocolate. Fantástico! Mas acho que muita gente acharia bem esquisitinho.

Apr 25, 2010

O ovo dentro do ovo

Eu como chocolate todo dia. Todo dia mesmo, e me dá um tremedeira quando passo um dia sem comer pelo menos um pedacinho.

E me considero uma pessoa de sorte, pois com vários amigos espalhados pelo mundo eu já consegui experimentar muito chocolate diferente. Na Páscoa recebemos a visita de uma amiga que mora na Bélgica e trouxe ovinhos maravilhosos da Neuhaus. E uma semana depois, um ovo-encomenda que minha mãe comprou na Kopenhagen veio na mala de outra amiga, que também me trouxe uma caixa da Crismel, que trabalha com chocolates belgas no Brasil.

Somos pessoas de sorte em ter chocolates tão gostosos assim! Não não, eu não recebo nada deles para escrever isso, e nem acho que é a saudade que acentua os sabores. Claro que Lindt é gostoso e bem baratinho por aqui, mas às vezes acho molenga demais. E claro também que gosto de comer um simples Hersheys de vez em quando, ou um refinado Kee's em outros dias, mas pra mim o chocolate da Kopenhagen tem um gosto muito marcante e que não enjoa.


E voltando ao ovo que eu ganhei, hoje finalmente chegou a vez dele! Achei bem legal o ovo dentro do ovo dentro do ovo, combinando os "clássicos". Ele tem um tamanho bom pra se comer uma meia casca de uma vez, e até mesmo para dividí-la com o maridão. Só vai direto de volta pro armário senão como tudo em um dia só! O língua de gato já foi devorado. Amanhã é a vez do nha-benta.

Apr 15, 2010

A sopa com tofu

Faz um tempo eu fui àquela demonstração da Lee Ann em que aprendi que o tofu tem mil e uma utilidades, e que funciona como um ótimo substituto para o creme de leite. Hoje resolvi colocar em prática o conhecimentdo adquirido e me livrar de um monte de coisa que estava meio estragando na minha geladeira. Não tem jeito, fim de semana chegando eu sei que elas ficarão até segunda-feira abandonadas no ar frio.

Tinha ali uma cenoura, meia cabeça de couve-flor meio velha, espinafre murcho e um tofu que ia estragar em breve. Sem contar a enormidade de frangos que invadiu minha geladeira nos últimos meses, e foi pra panela também. A tudo isso adicionei uns dentes de alho e uma cebola, coisa que sempre tenho pela casa, e umas ervas desidratadas que estavam pelo armário. Qualquer coisa mesmo, um punhado de estragão que comprei para fazer Hollandaise, pitada de pimenta, sal, água e pronto! Esqueci e deixei cozinhando.


Duas horas depois, coloquei o tofu no liquidificador com um pouco do caldo da sopa, triturei, e logo depois foram todos os vegetais. Ok, a consistência não fica a mesma, então vem o segredinho das aulas: 1 colher de manteiga derretida para 1 colher de farinha de trigo, mistura e vai pra sopa. É só deixar ferver misturando que a farinha engrossa a sopa e não empelota.

Ueba! Agora o freezer que está todo feliz com a enormidade de potinhos de sopa! Pelo menos amanhã meu almoço será bem mais gostoso e light com essa sopinha caseira, pois eu não aguento mais o frango-nosso-de-todo-dia. E o Fê que geralmente não gosta de tofu nem percebeu a diferença =D

Apr 14, 2010

Aprendizado por repetição

Faz um tempo que não escrevo por causa de uma mistura de visita boa tomando todo meu tempo livre com uma fase do curso que é importante, mas meio monótona para quem lê.

O que acontece? A gente continua na fase do aprendizado por repetição. Depois do saucier, vieram as entradas, peixes e sobremesas, e descobri com grande surpresa que gosto muito de mexer com peixes, pegar aquela arraia molenga e transformá-la em filés dourados com molho de alcaparras e croutons.


Mas isso fica um pouco repetitivo, pois são 16 pratos que fazemos e refazemos durante um mês. Agora estamos na fase em que um time de 4 pessoas toca uma cozinha inteira, sendo cada integrante responsável por uma determinada estação. É interessante em todos os sentidos, por observar como o mesmo prato com os mesmos ingredientes pode ficar tão diferente em pessoas que tiveram o mesmo treinamento,  e também por ver como as pessoas lidam umas com as outras, com seus gostos e personalidades.

E como esse nível acaba? Numa prova prática em que cozinhamos para ex-alunos que foram treinados pelo nosso chef. Entregar os pratos no horário certo, na temperatura certa e no tempero certo é um desafio que soa bem mais fácil do que realmente é. E o que será apresentado é uma loteria sorteada 15 minutos antes do "get ready, set, go"

Apr 8, 2010

MilkMade - A primeira entrega

Vocês se lembram que eu [escrevi] que tinha feito a minha assinatura para o clube do sorvete? Pois é, ontem chegou o primeiro! Vamos lá:

- Eu selecionei a janela de 8 a 11pm. Às 11:20pm recebo uma mensagem de texto no meu celular da entregadora falando que estava atrasada, que chegaria por volta de meia-noite, ou então poderia entregar amanhã. Resolvemos esperar.

- Por uma má comunicação entre o porteiro e a entregadora, nosso sorvete ficou 20 minutos esperando abandonado e sofrendo com o calor anormal que está nessa cidade. A entregadora falou que não deveria mudar a consistência pois ele é transportado em gelo seco e demora uns 15 minutos pra derreter.


- O sorvete... Méh. Vou ser um pouco técnica demais: Quando estava na faculdade fizemos uma aula para analisar sensorialmente a característica da gordura em alimentos. Para fazer isso, fizemos sorvetes que variavam do goiaba com água, goiaba com leite, coco com água a coco com creme de leite. A maior alteração é que quanto menos gordura, maior a sensação de gelinho na boca, como os sorbets. E daí? Bom, eu esperava que mesmo sendo uma produção artesanal, sem conservantes e emulsificantes, o sorvete seria cremoso, e ele tava meio como meus experimentos de criança, onde aprendi no X-tudo a fazer um sorvete e você coloca na geladeira e pronto. Fica aquele meio gelo, meio água, resumindo: consistência ruim.

- A idéia do sabor é interessante: Stout Ice cream with Dark Chocolate Shavings and a twist of orange. Um sorvete de cerveja escura com pedaços de chocolate e sabor de laranja. Acho que a laranja deveria ser um pouco mais tratada - talvez fervida - pois dava um gosto meio amargo demais ao fundo. Não comprometia o sabor, mas brigava um pouco com o amarguinho que já vinha da cerveja.


- E hoje recebi um email com um pedido de desculpas pela confusão da entrega de ontem. Ok, ganhou pontinhos.

Balanço: gostoso, caro demais pro que é, interessante pela experiência, fico com a impressão de que não renovaremos, mas vamos esperar os dois próximos meses pra ver o que vem.

O novo item da cozinha

Ele é feio. É brega. É esquisito. E se chama Crocs Bistrô.


E horroroso do jeito que é, esse par de Crocs representa a minha mais nova aquisição e o item mais modesto da minha lista de necessidades culinárias. Além de feio por definição, este ainda é uma versão mais esquisitinha ainda, pois as laterais são fechadas. Meus pés não ligam. Eles às vezes suportam dores pela beleza exterior e estilo, mas isso não acontece na cozinha.

O photoshop não é dos melhores, mas esse crockinho verde massageando - e dando beijinhos - nesses pés doloridos é muito fofo. Pés dororidos nunca mais!

Apr 5, 2010

Tofu revolucionando o mundo

Hoje fui ver uma demontração da chef Lee Ann Wong. Além de ser nada mais nada menos do que uma das pessoas que trabalha nos bastidores do Top Chef, ela também participou da primeira edição e ficou em quarto lugar com as suas receitas inovadoras e que utilizam diversos ingredientes orientais. E ela apareceu hoje lá na FCI para cozinhar três pratos que usam tofu como ingrediente.


E a história da Ann Lee é muito interessante. Após se formar na FCI, ela foi trabalhar nos cobiçados da gastronomia como Aquavit, French Laundry, Nobu e até se mudou para o México e Ilhas Virgens Britânicas para aumentar seu repertório. E foi por essas viagens ao mundo que ela descobriu o mundo maravilhoso do tofu.

Eu sou uma super fã de tofu e como desde criança. Para o primeiro jantar em casa na minha última visita ao Brasil, eu pedi para minha mãe fazer arroz branco japonês, tofu, shoyu e umeboshi, a conserva de ameixa. "Mas de brasileiro isso não tem nada!", foi a resposta da minha mãe. Não tem mesmo, mas é o que pra mim tem gostinho de comida simples caseira.


Tofu cru com sal temperado com chá macha

Ann Lee também dividiu segredos com a platéia: disse que perdeu 27kg depois que começou a substituir ingredientes básicos por tofu, brincando na cozinha com as consistências e sabores. "Qualquer receita que leva heavy cream (quase nosso creme de leite) ou sorvete pode ficar mais magra e saudável com o uso do tofu". Uau! Confesso que o apelo "emagreça!" não é o que mais me chamou a atenção nas receitas, mas sim como elas ficaram gostosas, leves e muito saborosas. E sem gosto de tofu, dá pra enganar alguém que torceria o nariz direitinho!

Mas o que ela fez? Ela brincou com diferentes tipos de cozinhas e substituiu ingredientes. O primeiro prato foi um faláfel de edamame (feijão de soja) com tofu, substituindo o grão de bico. O tahini também levou tofu e ficou bem levinho.


O segundo prato era um chawan-mushi de salmão com tofu marinado. Chawan é um tipo de tigela muito utilizada pelos japoneses, geralmente onde vem o arroz ou a sopa de misô. No chawan-mushi, os ingredientes são colocados na tigela e cozidos no vapor. É considerado um prato fino da culinária japonesa, e ela fez ficar com um ar super refinado e com uma simplicidade incrível no preparo.


E a última receita era uma pannacotta de mel com blood oranges, uma variedade de laranja de cor vemelha. Um prato tão tradicional da cozinha italiana - e uma das minhas sobremesas favoritas! - tem o creme de leite substituído por tofu, deixando tudo bem mais leve, light e ainda assim super saboroso.


E pra completar o dia, passei no mercadinho japonês Sunrise Market (494 Broome Street), enchi a sacola com shoyu artesanal, macarrão para soba, udon e um mochi fresquinho para acompanhar meu tofu fresco e me inspirar um pouco.

E as receitas? Eu tenho, mas não posso divulgá-las no blog. Uma pena.

Apr 2, 2010

É uma Piada!

Aproveitando o feriado de Páscoa, fui conhecer uma das lanchonetes favoritas do maridão. Com a vida que corre a cada segundo, pessoas que trabalham em escritórios dependem de comidas rápidas e fáceis. Eu já tive também a minha fase de proletária com almoços curtos e sanduíches rechonchudos, e chega uma hora que cansa. Há opções boas como o Pret a Manger, onde as saladas e sanduíches são feitos diariamente nas cozinhas de cada loja, sem transporte de produtos prontos e melequeira de conservantes. Mas ainda assim, não dá pra sobreviver de Pret todo dia, e tem dias em que dá uma preguiça de levar almoço de casa.


E aí ele descobriu o [Piada]. Do lado das escadarias em direção a entrada do metrô da Lexington e 53rd St (esquina Nordeste para os bem localizados ou portadores de bússola) fica um pequeno restaurante que não chama muita atenção. Lá as saladas são preparadas na sua frente, e os sanduíches - que realmente se chamam piada - são feitos de acordo com as receitas do Norte da Itália  e tem uma massa fininha e leve de farinha e azeite de oliva. Um italiano simpático e de boné pra trás te recebe com um sorriso e sotaque gostoso de ouvir.


Pedi o meu para viagem, que vem numa caixinha bonitinha e personalizada. Eu experimentei o Amarcord, um dos Traditional Piada, com rúcula, mussarela e presunto cru, e peguei umas mordidas do Satiricon, com presunto speck, queijo fontina e rodelas de tomate . O recheio é bem fresquinho e vem numa quantidade certa que equilibra com o flat bread. Tudo foi muito bem acompanhado de um suco de laranja FRES-CO! Ai que saudade! Tá aí uma coisa que não se acha tão facilmente nos Estador Unidos, e às vezes vem em quantidades mínimas de conta-gota. Esse não, vinha num copão de dar gosto!


E além de estar ali na bagunça de Midtown East bem embaixo do prédio do Citi, a primeira lanchonete foi aberta na Clinton St, no Lower East Side. O italiano simpático disse que eles entraram com um pedido para ter a licença de venda de álcool e que em breve poderão deixar a loja aberta até mais tarde e vender vinhos em taça, perfeito para um fim de tarde e preguiça de fazer jantar. Para ver o cardápio, [clique aqui]. A minha refeição de piada com suco saiu $12.