Feb 19, 2010

Sam, a Lagosta

Eu sei que não deveria dar nomes a animais que serão mortos. E eu não acho que é similar a cachorro ou um gatinho de estimação. Mas ainda assim facilitou a conversa mental que eu tive com ela:

"Olha, Sam. Eu não queria MESMO fazer isso. Eu acho terrível e nem gosto muito de comer outros membros da sua família, excluindo o camarão, mas infelizmente eu preciso fazer. E eu preciso saber que eu consigo fazer."

Crec, crec, Shblosh.

Não foi no vapor nem com facada na cabeça. Foi de uma forma mais desagradável, arrancando os membros e depois separando o corpo da cabeça com as minhas mãos. Teve gente que chorou, gente que nem ligou. Eu me segurei, mas tremia. E só comi pra provar o molho e porque o chef falou que a minha lagosta estava no ponto perfeito, e isso eu preciso aprender.

Eu nem quis saber de foto na hora, mas pedi para a minha amiga Bernardette me mandar a foto do prato dela, que era igual ao meu. O molho é um bisque de lagosta, acompanhado por gotas de manteiga de baunilha e avelãs. A lagosta foi cozida em um "caldo" chamado court boullion, que leva caldo de peixe e vegetais. Uma pena que a foto foi tirada depois do chef dar a cutucada básica no prato.

4 comments:

Gi said...

Nossa.. imagino como tenha sido dificil! Estou orgulhosa de voce!
p.s.: O prato parece maravilhoso :)

Camila said...

Uau... ficou lindo, mas eu também ia ficar meio mal. Congrats!

Luiza said...

muito bem, parabéns!!!
Tenho certeza que o Sam entendeu que era algo necessário...rs
Beijos!

Marilia said...

Adoro lagosta, mas acho uns dos pratos mais difíceis de se fazer. Fiquei super orgulhosa do seu ponto perfeito.
Acho que se tivéssemos que matas nosso frangos Zé, porco max, vitela Mimosa também nos sentiríamos mal a cada passo.